Dica de leitura: “Santo Antônio – Arca do Evangelho -“

Muitos são os devotos de Santo Antônio, mas que não o conhecem com profundidade. Nós devemos reconhecê-lo não só por sua fama de “casamenteiro”, mas por tudo aquilo que viveu e construiu em prol do Reino de Deus em seus 35 anos vividos nesta terra. Santo Antônio foi proclamado doutor da Igreja, pelo Papa Gregório…

Conheça e aprenda a rezar a Ladainha da Humildade

Nesta oração composta pelo Cardeal Merry del Val, secretário do Estado do Vaticano durante o pontificado de São Pio X, peçamos juntos ao Senhor a graça da humildade de coração, alicerce da vida interior e remédio eficaz contra o pecado da soberba.

Jesus, manso e humilde de coração, ouvi-me.
Do desejo de ser estimado, livrai-me, ó Jesus.
Do desejo de ser amado, livrai-me, ó Jesus.
Do desejo de ser conhecido, livrai-me, ó Jesus.
Do desejo de ser honrado, livrai-me, ó Jesus.
Do desejo de ser louvado, livrai-me, ó Jesus.
Do desejo de ser preferido, livrai-me, ó Jesus.
Do desejo de ser consultado, livrai-me, ó Jesus.
Do desejo de ser aprovado, livrai-me, ó Jesus.

Do receio de ser humilhado, livrai-me, ó Jesus.
Do receio de ser desprezado, livrai-me, ó Jesus.
Do receio de sofrer repulsas, livrai-me, ó Jesus.
Do receio de ser caluniado, livrai-me, ó Jesus.
Do receio de ser esquecido, livrai-me, ó Jesus.
Do receio de ser ridicularizado, livrai-me, ó Jesus.
Do receio de ser difamado, livrai-me, ó Jesus.
Do receio de ser objeto de suspeita, livrai-me, ó Jesus.

Que os outros sejam amados mais do que eu, Jesus, dai-me a graça de desejá-lo.
Que os outros sejam estimados mais do que eu,
Que os outros possam elevar-se na opinião do mundo, e que eu possa ser diminuído,
Que os outros possam ser escolhidos e eu posto de lado,
Que os outros possam ser louvados e eu desprezado,
Que os outros possam ser preferidos a mim em todas as coisas,
Que os outros possam ser mais santos do que eu, embora me torne o mais santo quanto me for possível, Jesus, dai-me a graça de desejá-lo.

Onde estava a Igreja de Cristo antes de Lutero?

Cristo entregando as chaves a sao pedro

Da infalibilidade da Igreja deriva um corolário fatal a todas as heresias. Qualquer grupo de almas batizadas que se separa da comunhão dos fiéis e rompe com os ensinamentos e tradições antigas já está condenado pela sua própria novidade.

A Igreja de Cristo é una como a verdade. O Espírito Santo nela habita com a sua assistência continuada todos os dias, até a consumação dos tempos. Impossível assinalar uma época na história em que a Esposa do Verbo se tenha desviado da senda real da ortodoxia. As promessas divinas falhariam, Cristo deixaria de ser Deus e a religião por ele instituída afundaria para sempre no pego imenso das superstições humanas.

Após 15 séculos de cristianismo levante-se um monge no coração da Alemanha e lança ao mundo o pregão de uma reforma. Simples regeneração dos costumes?

Não, reforma doutrinal.

O que então se chamava doutrina cristã admitida pela Igreja universal era uma adulteração profunda do Evangelho, um acervo de superstições e idolatrias, patrocinadas pelo anticristo de Roma. A Igreja se havia apartado da verdadeira fé: era mister reconduzi-la às fontes genuínas do Evangelho.

Cristo errara a mão. Fundara uma sociedade fadada a destinos imortais. Plantara-a no mundo como cidade visível para acolher os eleitos. Mas apenas saída das suas mãos divinas, apenas o mundo pagão, com a paz de Constantino, viera buscar à sombra da cruz a verdade e a vida, a Igreja desfalece, corrompe-se, paganiza-se. Onze séculos de ignorância, de trevas e de superstições ensombraram a obra do Salvador.

“A entrega das chaves a S. Pedro”, de Pietro Perugino.

Foi mister que um frade apóstata, sensual e orgulhoso apontasse no horizonte religioso da humanidade para reconduzi-la aos mananciais cristalinos do Evangelho, e, mais feliz, mais próvido, mais sábio, mais poderoso que o Cristo, fundasse uma nova Igreja de vitalidade menos efêmera, Igreja imorredoura e incorruptível, destinada a acolher sob as suas tendas as gerações do porvir. Eis a significação real do protestantismo. Eis outrossim a sua condenação, a seta fatal que se lhe embebeu no peito e há de arrastá-lo à morte inevitável.

Se Cristo é Deus, se Cristo fundou uma Igreja, essa é indefectível e imortal como as obras divinas. Mas se a Igreja caiu no erro, as portas do inferno prevaleceram contra ela e Cristo não manteve a sua promessa. Cristo enganou-nos, Cristo não é Deus, e o cristianismo é uma grande impostura. É tão forte a consequência que muitos protestantes por este motivo abjuraram o cristianismo. É o exemplo de Staudlin, que dizia:

Se na religião partimos de um princípio sobrenatural (como uma revelação, a Bíblia, por exemplo ou o Corão), cumpre necessariamente admitir que a Divindade, comunicando uma revelação ao homem, deve prover outrossim o modo de impedir que o sentido desta revelação não seja abandonado às arbitrariedades do juízo subjetivo. Esta inconsequência de Jesus Cristo não me permite considerá-lo senão como um sábio benfeitor. [1]

Ochin, outro protestante, que no dizer de Calvino, era mais sábio ele só que a Itália inteira, chegava pelo mesmo caminho à mesma conclusão. “Considerando, de um lado, como poderia a Igreja haver sido fundada por Jesus Cristo e regada com o seu sangue, e, do outro, como poderia ela ser fundamentalmente adulterada pelo catolicismo, como estamos vendo, conclui que aquele que a estabeleceu não podia ser o Filho de Deus; faltou-lhe evidentemente a Providência” [2]. E Ochin, renunciando ao protestantismo, fez-se judeu.

Nada, com efeito, mais diametralmente oposto aos ensinamentos e promessas do Evangelho do que a ideia de uma Igreja que pode desgarrar da sua primeira instituição, pregar o erro e a corrupção. O Espírito de Verdade habitará nela para todo o sempre: prometeu-o formalmente Cristo. Formalmente mandou-nos o Senhor que obedecêssemos à Igreja em todos os tempos e em todos os lugares. Não nos disse: Escutai a Igreja durante 300 ou 1.000 anos, mas ouvi-a sempre, sem nenhum limite de tempo, sem nenhuma reserva, sem nenhuma restrição. “Quem não ouve a Igreja, seja considerado como pagão ou pecador” (Mt 18, 17).

Ora, evidentemente, antes de Lutero existia uma Igreja, a Igreja católica, que por uma sucessão ininterrupta de pastores ascendia aos apóstolos, e, por meio dos apóstolos, ao próprio Cristo. Esta era a Igreja instituída pelo Salvador, esta a Igreja de que falam as promessas evangélicas. Fora dela, a história não conhece outra.

Quando nasceram as igrejas luteranas, calvinistas e anglicanas, já a Igreja católica tinha uma existência quinze vezes secular. Desde Jesus Cristo só há uma Igreja, a grande Igreja, como a chamavam os pagãos, a Igreja, simplesmente, sem epítetos derivados de nomes humanos, como a chamamos nós. Diante deste fato, afirmai agora que essa Igreja entrou a corromper-se no 4.º século e de todo adulterou a doutrina evangélica nas “trevas caliginosas da Idade Média” e tereis anulado as promessas de sua Providência, atributo distintivo da Divindade. Staudlin e Ochin são lógicos. Entre o catolicismo e o naturalismo deísta não há racionalmente meio termo. Se a Igreja católica foi em algum tempo a verdadeira Igreja, nunca cessou, nunca cessará de o ser, até o fim dos tempos [3]. Se não, Jesus Cristo enganou-nos. Seitas cristãs acatólicas são superfetação parasitária destinada a uma existência efêmera.

Por uma feliz incoerência, porém, muitos protestantes não resvalaram até ao fundo do abismo. Parando à meia encosta, esforçam-se por conservar alguns restos de cristianismo. Mas nem estes deixaram de sentir o fio cortante do argumento: onde estava a Igreja antes de Lutero?

Pergunta capciosa? Não, pergunta molesta, pergunta irrespondível, pergunta que vale por si uma apologia inteira, pergunta inexoravelmente fatal ao protestantismo.

É PRECISO CAMINHAR 2017-11-15 18:41:00

17/11/2017
Resultado de imagem para Os céus proclamam a glória do Senhor, e o firmamento, a obra de suas mãosImagem relacionada
CONTEMPLAR DEUS NA SUA CRIAÇÃO E VIVER PERMANENTE VIGILANTE
Sexta-Feira da XXXII Semana Comum
Primeira Leitura: Sb 13,1-9
1 São insensatos por natureza todos os homens que ignoram a Deus, os que, partindo dos bens visíveis, não foram capazes de conhecer aquele que é; nem tampouco, pela consideração das obras, chegaram a reconhecer o Artífice. 2 Tomaram por deuses, por governadores do mundo, o fogo e o vento, o ar fugidio, o giro das estrelas, a água impetuosa, os luzeiros do dia. 3 Se, encantados por sua beleza, tomaram estas criaturas por deuses, reconheçam quanto o seu Senhor está acima delas: pois foi o autor da beleza quem as criou. 4 Se ficaram maravilhados com o seu poder e a sua atividade, concluam daí quanto mais poderoso é aquele que as formou: 5 de fato, partindo da grandeza e da beleza das criaturas, pode-se chegar a ver, por analogia, aquele que as criou. 6 Contudo, estes merecem menor repreensão: talvez se tenham extraviado procurando a Deus e querendo encontrá-lo. 7 Com efeito, vivendo entre as obras dele, põem-se a procurá-lo, mas deixam-se seduzir pela aparência, pois é belo aquilo que se vê! 8 Mesmo assim, nem a estes se pode perdoar: 9 porque, se chegaram a tão vasta ciência, a ponto de investigarem o universo, como é que não encontraram mais facilmente o seu Senhor?
Evangelho: Lc 17,26-37
Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos: 26 Como aconteceu nos dias de Noé, assim também acontecerá nos dias do Filho do Homem. 27 Eles comiam, bebiam, casavam-se e se davam em casamento, até ao dia em que Noé entrou na arca. Então chegou o dilúvio e fez morrer todos eles. 28 Acontecerá como nos dias de Ló: comiam e bebiam, compravam e vendiam, plantavam e construíam. 29 Mas no dia em que Ló saiu de Sodoma, Deus fez chover fogo e enxofre do céu e fez morrer todos. 30 O mesmo acontecerá no dia em que o Filho do Homem for revelado. 31 Nesse dia, quem estiver no terraço, não desça para apanhar os bens que estão em sua casa. E quem estiver nos campos não volte para trás. 32 Lembrai-vos da mulher de Ló. 33 Quem procura ganhar a sua vida, vai perdê-la; e quem a perde, vai conservá-la. 34 Eu vos digo: nessa noite, dois estarão numa cama; um será tomado e o outro será deixado. 35 Duas mulheres estarão moendo juntas; uma será tomada e a outra será deixada. 36 Dois homens estarão no campo; um será levado e o outro será deixado.’ 37 Os discípulos perguntaram: ‘Senhor, onde acontecerá isso?’ Jesus respondeu: ‘Onde estiver o cadáver, aí se reunirão os abutres.’
________________

A Criação ou a Natureza É Uma Das Portas Para Conhecer Deus

São insensatos por natureza todos os homens que ignoram a Deus, os que, partindo dos bens visíveis, não foram capazes de conhecer aquele que é; nem tampouco, pela consideração das obras, chegaram a reconhecer o Artífice”, escreveu o autor do livro de Sabedoria que lemos na Primeira Leitura.
Estamos diante de um texto com o interesse teológico muito profundo. O autor afirma que há possibilidade de conhecer Deus através da contemplação da natureza ou de toda a criação.
A contemplação da criação ou de cada criatura leva o homem ao “Artífice” do universo criado. No âmbito religioso, a contemplação é sempre considerada como um ato de altíssima espiritualidade que penetra na esfera luminosa das verdades divinas, enombrecendo e transformando o espirito. No âmbito cristão a contemplação recorda o desejo de ver Deus e de contemplar seu rosto, que era próprio dos justos do Antigo Testamento. “O esforço de fixar em Deus o olhar e o coração, que nós chamamos contemplação, se converte no ato mais alto e mais pleno do espirito, no ato que hoje pode e deve hierarquizar a imensa pirâmide da atividade humana” (Papa Paulo VI: Homilia na IX Seção do Concílio Vaticano II, 9 de Dezembro de 1965)
Segundo a tese do livro de Sabedoria, os pagãos teriam que reconhecer Deus através da natureza criada. Mas foram nescios e vãos, pois ficaram no criado sem dar o salto ao Criador. Eles se deixaram apenas deslumbrados pela beleza e grandeza das coisas, e têm como deuses o fogo, o cofre estrelado, a água impetuosa, os luminares celestiais sem chegar ao Criador. O cosmos é bom e maravilhoso, mas teriam que descobrir o Senhor Criador. Segundo o livro de Sabedoria, esta é a falha dos que chegaram a uma religião naturalista, adorando ao sol e à lua ou aos grandes rios. Este é o maior ataque do autor do livro de Sabedoria contra a idolatria, isto é, contra os que construíram com suas próprias mãos ídolos de pedra ou de madeira e os adoraram. Para o livro de Sabedoria, os idólatras são muito néscios.  
É a mesma razão que no Novo Testamento faz São Paulo na sua crítica aos pagãos em sua Carta aos Romanos (Rm 1,18-32). Apesar de Deus ter se revelado na criação, eles não reconheceram o Criador “Jactando-se de possuir a sabedoria, tornaram-se tolos e trocaram a glória de Deus incorruptível por imagens do homem corruptível, de aves, quadrupedes e repteis” (Rm 1,22-23).
Na verdade este salto de qualidade afirmamos e confessamos no nosso Credo: “Creio em Deus, Pai todo-poderoso, Criador do céu e da terra” (leia o Novo Catecismo números 279-301). Jamais podemos perder nossa capacidade de admirar a formosura e grandeza da criação para poder contemplar a grandeza de Deus atrás de tudo isso. A criação nos aponta para o Criador. A perfeição do Criador se reflete na perfeição da criação.
Também na Oração Eucaristia IV confessamos a grandeza do Deus Criador: “Nós proclamamos a vossa grandeza, Pai santo, a sabedoria e o amor com que fizestes todas as coisas: criastes o homem e a mulher à vossa imagem e lhes confiastes todo o universo, para que, servindo a vós, seu Criador, dominassem toda criatura”.
Tanto em suas grandes dimensões como nas pequenas (o macrocosmos e o microcosmos) é admirável o que Deus criou. Os ecologistas têm toda a razão para admirar e defender a natureza. Além disso, nós cristãos sabemos ver Deus em todo criado, no fundo dos mares e no vigot das montanhas, na anatomia humana e nos caprochosos colores de uma flor ou de uma mariposa/ borboleta, nas grandesa dos espaços cósmicos e na estrutura de um pequeno animal. Portanto, com o Salmo Responsorial (Sl 18) podemos dizer convencidos: “Os céus proclamam a glória do Senhor, e o firmamento, a obra de suas mãos; o dia ao dia transmite esta mensagem, a noite à noite publica esta notícia”.
É sempre bom sairmos um pouco de nossa casa para contemplar o céu e a natureza a fim de louvar a Deus, nosso Criador. O louvor a Deus afasta todo tipo de tristeza, de pessimismo e de qualquer pensamento negativo!
Estejamos Preparados Para a Última Vinda Do Senhor
Continuamos a escutar as últimas e importantes lições de Jesus no seu caminho para Jerusalém onde Ele será crucificado, morto e glorificado (Lc 9,58-19,28).
No texto do evangelho do dia anterior, Jesus nos anunciava sobre a imprevisibilidade da chegada do Reino de Deus (cf. Lc 17,20-25). No texto do evangelho de hoje Jesus reforça sua afirmação comparando sua vinda à do dilúvio no tempo de Noé e ao castigo sobre Sodoma no tempo de Ló (Lot). E por isso, Jesus quer que estejamos permanentemente vigilantes. Trata-se, então, da lição sobre a vigilância.
Para falar sobre a vigilância no texto do evangelho de hoje Jesus usa uma linguagem apocalíptica, aludindo, uma parte, aos dias cruciais de Noé e do dilúvio, e outra parte, aos dias cruciais do encontro derradeiro dos homens com Deus, seu Criador. Em ambos os tempos se encontram Deus, amor, Criador, juiz misericordioso e nós, homens, pecadores, objetos do amor misericordioso de Deus (cf. Jo 3,16; Jo 13,1).
O juízo de Deus se revela em forma de surpresa (Lc 17,26-32), como aconteceu na época de Ló (Lot) onde os homens continuavam ocupados em grandes afazeres da vida: fortuna, diversão, comida, negócios, vida familiar, vida de prazer e assim por diante, e foram surpreendidos por uma fatalidade.
Às vezes, o centro da vida de uma pessoa é o trabalho. Muitas pessoas estão submersas nas realidades temporais que absorvem totalmente sua atenção: subsistência, vida família, vida profissional (carreira), dinheiro e os demais bens materiais, prazer e assim por diante. Mas a vida está acima e além da história e do tempo. Deus é quem dá sentido à vida dos homens. Deus é quem responde os anseios mais profundos. A vida sem sentido se torna vazia. O sentido da vida está n’Aquele que criou a vida. Por isso, “O homem, para onde se dirija, sem se apoiar em Deus, só encontrará dor. E ninguém está tão só do que aquele que vive sem Deus” (Santo Agostinho). Para algumas pessoas há uma dependência exagerada do trabalho. Quando há dependência, não há liberdade. Há pessoas que se entreguem a tudo desde que não fiquem no vazio. Mas cedo ou tarde chegará esse vazio quando a pessoa perder suas forças para trabalhar. O trabalho absorve tanto a vida de um ser humano a ponto de ele esquecer a dimensão profunda de sua vida. “Saberás da dor de estar só e da pena de estar com muitos… Saberás das escuras que são as noites e os longos que podem ser os dias… Saberás da fome da carne e da angústia do espírito…”, escreveu o Papa João XXIII (São João XXIII). Não se pode ignorar que tudo quanto se alcança (materialmente, socialmente) se perde. Só o que se é, permanece. A vida nunca é o que se tem. A vida é o que se é. Saberás que o amor ajuda. Que a compreensão alenta. Que a esperança sustenta. Que a fé engrandece. E que tu estás com o Senhor” (João XXIII).
Em silêncio de cada dia Deus continua nos chamando para uma autêntica verdade de nossa vida. Para poder ouvir esse Deus é necessário criar o silêncio dentro de nós. Noé escutava esse Deus e se salvou do dilúvio (cf. Gn 7,1-8,22). Ló (Lot) escutava a voz de Deus e se escapou do fogo devorador (cf. Gn 19,1-29). O silêncio possibilita a presença da eternidade. No silêncio posso me encontrar com a própria verdade. No silêncio posso encontrar meu eixo e minha salvação. Ao contrário, no meio de muito barulho e de muita agitação nada se escuta claramente e nada se vê nitidamente. A agitação não deixaria de ser uma fuga do encontro consigo próprio e com a verdade. O silêncio é um verdadeiro encontro. Qualquer encontro dá-se e realiza-se a partir do esvaziamento para possibilitar o próprio encontro e a partilha. Somente podemos apertar a mão do outro se as duas mãos (a minha e a do outro) estiverem vazias.
Diante desta chamada silenciosa de Deus há dois tipos de reações: os que estão demasiadamente ocupados em seus negócios preferem não escutar, pois para eles isso tiraria seu momento de prazer como os habitantes de Sodoma. E os que, escutando em princípio a chamada, sentindo a nostalgia do mundo que abandonaram, voltam ao mundo antigo, como aconteceu com a mulher de Ló (Lot) e se tornou vítima fatal dessa volta para o mundo antigo (cf. Gn 19,26). São Pedro nos alerta com as seguintes palavras: “Com efeito, se, depois de fugir às imundícies do mundo pelo conhecimento de nosso Senhor Jesus Cristo, de novo são seduzidos e se deixam vencer por elas, o seu ultimo estado se torna pior do que o primeiro” (2Pd 2,20; leia 2Pd 2,4-22). Foi isso que aconteceu com a mulher de Ló (Lot). Não podemos seguir a Jesus que é a novidade de nossa vida e viver como antes.
O tempo de Deus é um dom, mas por sua natureza está ligado a uma tarefa que devemos realizar. Para responder adequadamente a esse dom é exigido de nós um compromisso no qual estamos obrigados a empenhar toda nossa força e nossa atuação para praticar o bem. A liberdade que nos é concedida deve adequar-se ao querer de Deus acerca da história dos homens e sua salvação. E as leituras bíblicas destes dias são um aviso para que estejamos preparados e vigilantes permanentemente olhando com seriedade para o futuro vivendo o presente na sua profundidade e tratar a vida com carinho, pois a vida é de Deus e Deus está nela.
Deus está aqui e agora na vida de cada um de nós. Deus se faz homem em Jesus Cristo e Jesus Cristo se faz alimento para nós na Palavra proclamada, meditada e vivida e na Eucaristia. O Jesus eucarístico que recebemos na Eucaristia será nosso Juiz, como Filho do Homem, e, Ele nos assegura: “Quem come minha carne e bebe meu sangue tem a vida eterna e Eu o ressuscitarei no ultimo dia” (cf. Jo 6,35-57). Aceitar Jesus Cristo e reconhecê-Lo como nosso Deus (Jo 1,1-3.14), como Caminho, Verdade e Vida (Jo 14,6) significa não perder a oportunidade de que Aquele que é esperado como Juiz no final dos tempos, chegará para nós como Pastor misericordioso para nos levar, nos seus ombros, de retorno para a casa do Pai (cf. Jo 14,1-3). Então, estaremos certos de que seremos de Deus e estaremos com Ele na felicidade eterna.

P. Vitus Gustama,svd